compositor autodidata
  •  
  •  

Biographie

Roniere Leite Soares

Roniere Leite Soares nasceu na Cidade de Campina Grande, Estado da Paraíba, Brasil (1972);

Iniciou-se na música no Distrito de Boa Vista, especificamente no solfejo falado, por meio do Professor Inácio Severino Silvano, em 1987. A base dos seus estudos musicais foi a filantrópica Filarmônica Bom Jesus. Foi também nesta banda-de-música que, em 1988, aprendeu solfejo cantado com José Francisco Mariano, famoso mestre-de-bandas do Estado da Paraíba. Ainda em 1988 fez parte da banda musical Apocalipse, em Boa Vista-PB, como segundo baterista.

Em 1989 aprendeu clarinete com o Maestro Francisco Paulo da Silva e, começa, como autodidata, a compor as primeiras músicas. Em 1990 começa a fazer os primeiros arranjos instrumentais para banda.

Em 1991 aprende saxofone alto. Começa a integrar orquestras carnavalescas cujo repertório é formado de marchinhas, marchas-ranchos, sambas-canções e frevos-de-rua.

Em 1992 se tornou Maestro da Filarmônica Bom Jesus e experimenta o escaleto (ou soprofone). Entre 1992 e 1993 participou do Coral Bom Jesus, da Paróquia do Padroeiro de Boa Vista, PB.

No Departamento de Artes da UFPB (campus I), a partir de 1994, estuda sax alto Eb com o professor Rivaldo Antônio Santana; Ditado Rítmico com o Professor Joelson Miguel; Formação de Compassos Compostos com o Professor Fernando José Torres Barbosa; e Flauta Transversa com o Professor Luciênio de Macedo Teixeira.

Entre 1995 e 1998 se torna saxofonista da banda Remelexo, da Cidade de Soledade-PB, onde grava o seu primeiro Compact Disk em saxofone, além de músicas de sua autoria.

Em 1996 experimenta os Saxofones Tenor, Soprano e Barítono. Posteriormente, em 1998, experimenta o trombone de pistos e o bombardino C.

Em dezembro de 1998 é convidado para dirigir a Filarmônica Municipal Bom Jesus dos Martírios, da Cidade de Boa Vista – PB.

Em 2001 é aprovado em concurso público para requintista, promovido pela Prefeitura Municipal de Campina Grande-PB. A requinta Eb se tornou seu instrumento oficial na Filarmônica Municipal Epitácio Pessoa. Neste mesmo ano, publica seu primeiro folheto de cordel que traz na contracapa uma partitura musical anterior à criação textual. Em vários outros cordéis posteriores imprime os denominados temas cordelísticos.

Em 2002 publicou dois livros didáticos de Teoria Musical: Clave de Sol e Clave de Fá (4ª linha). O material foi usado como ferramenta pedagógica no ensino de música para jovens da Cidade de Boa Vista-PB. Todavia, esse mesmo material foi adotado em cidades paraibanas, tais como Soledade, São Vicente do Seridó, Alcantil, Barra de Santana, Serra Redonda e Barra de São Miguel.

Em 2004, 2005 e 2007 realizou o Encontro Estadual de Filarmônicas Civis da Paraíba, cognominado “Falarmônica”. Este evento foi realizado na Cidade de Boa Vista, PB.

Em 2007 é convidado pelo Maestro Antônio Guimarães Correia para reger o Coral Esperança, grupo infantil da Escola Municipal Maria Cândida de Oliveira (Campina Grande – Paraíba). Neste mesmo ano, grava seu primeiro CD solo intitulado “Soprano Alto”, apenas com composições inéditas, objeto de um projeto cultural aprovado pelo Fundo Municipal de Cultura de Campina Grande (FUMUC).

Em 2008, na capital Recife-PE, participou de um curso de regência com o Maestro Parcival Módolo (da Universidade Presbiteriana Mackenzie, SP).

Em 2009 participa do Painel Funarte, promovido pelo Ministério da Cultura através do Projeto Bandas, na Cidade de Bananeiras-PB. Neste evento, fez o curso de regência com o Maestro Marcelo Jardim, da UFRJ.

Em 2010 regeu a Filarmônica Municipal Epitácio Pessoa em diversas ocasiões, em substituição ao maestro titular Fernando Araújo.

Em 2011, na capital João Pessoa-PB (UFPB), participou do curso de arranjo e instrumentação com o saxofonista argentino Hector Costila.

Em Julho de 2011 se tornou maestro interino da Filarmônica Epitácio Pessoa, banda-de-música do Município de Campina Grande-PB, em substituição ao Maestro Fernando Araújo, em capacitação musical na Espanha.

Em 2012 se tornou professor da UFCG. A partir deste ano, de forma autônoma, tem se dedicado à criação musical de peças instrumentais como hinos, dobrados, frevos, marchas de procissão, boleros, maxixes, xotes, baiões, carimbós, forrós, choros, valsas, baladas, músicas pop e outros gêneros populares.

Em 2014 produziu duas músicas incidentais para trilha sonora: 1. Inconsciente Ibérico e 2. Galope Nordestino. Essas duas composições foram encomendadas para o documentário “Quando eu vestia meu terno de couro”, dos cineastas paraibanos Flávio Alex Farias & Soahd Rached Farias. Este DOC foi premiado em 3º lugar no FARCUME – IV Festival de Curtas-Metragens de Faro, Portugal (Agosto/2014).

Possui hoje ex-alunos que fazem o curso de graduação em música na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), PB.